ALOU DISNEY!

Lou tem 27 anos, planeja a primeira viagem internacional com o seu namorado e resolve ir à Disney. Escolha a opção correta:

1) ela vai resolver as frustrações de não ter ido à Disney quando criança abraçando o Mickey como se fosse uma criança acreditando que aquele é, de fato, o Mickey

2) ela ama parque de diversão e é a louca da montanha-russa; vai se jogar em todas, repetindo aquelas que julgar necessário

3) ela vai à Disney com o objetivo de beijar uma baleia

4) todas as alternativas anteriores estão corretas

Minha vontade de ir à Disney tinha tantos motivos, que a solução era simples: ir! Nosso voo saiu de Nova York (aproveitamos o visto pra fingir que eu somos adultos e conhecer logo a Big Apple) e alugamos um carro pra facilitar a locomoção em Orlando. Se você mora ou conhece bem o Rio de Janeiro vai entender perfeitamente a referência de que aquela cidade parece uma enorme Barra da Tijuca, com avenidas largas e atrações distantes. Você consegue ir andando até a esquina do seu prédio hotel onde, provavelmente, vai ter uma padaria loja de donnuts, mas pra qualquer outra necessidade mais específica, vai precisar de um carro.

Escolhemos ficar no Rosen Inn 7600, que fica bem próximo à International Drive, pensando na possibilidade de nos alimentarmos com certa facilidade depois de um dia cansativo de parque. O plano não foi lá perfeito, porque as opções sempre envolviam hambúrguer e batata-frita e, pode acreditar, você não vai querer ver nenhum dos dois depois de alguns dias ingerindo tanta gordura.

Recém saídos de um cubículo de Nova York, tínhamos certeza que estávamos no paraíso quando chegamos ao hotel. O quarto tinha duas camas de casal, uma mini cozinha com microondas e frigobar, e um banheiro onde dava pra se enxugar sem derrubar nada. Além disso, oferecia uma estrutura bacana, com restaurante, loja de conveniência, piscina, balcão de informações turísticas e… WI-FI (inclusive dentro do quarto)!!! Aí você vai dizer que todo hotel em Orlando tem dessas coisas, mas lembre-se que estavámos na dureza em Nova York e ficamos realmente satisfeitos com tudo isso. A experiência foi ótima!

Chegamos lá já com os ingressos dos parques, comprados pela internet do Brasil. Ainda me pergunto se é mais barato aproveitar o descontos oferecidos pela compra online, arriscar o dólar e pagar as taxas do cartão de crédito, ou comprar lá na hora, no dólar do dia. A comodidade nos fez decidir comprar antes mesmo e só ter o trabalho de trocar os tickets da Disney e da Universal na bilheteria, já que no site do Sea World/Busch Gardens dá pra imprimir seu próprio ingresso. Na época que fomos (início de outubro, caso você já tenha se perdido nesse testamento), seria tranquilo comprar na hora se o problema fosse só as filas.

Aliás, que época maravilhosa! Clima agradável e pouquíssimas filas nos parques fizeram nossos dias muito mais agradáveis em Orlando. Sem contar que é quase impossível achar aquilo lá desagradável. Não importa a idade, os parques te fazem virar criança no momento em que se passa pela roleta. Acho que a mágica acontece com o combo “ambientação dos parques + atendimento solícito e sorridente”. Me pareceu a fórmula perfeita pra fazer com que você se sinta especial e viva aquelas horas com intensidade.

E não venha me dizer que é besteira tirar foto com o Pateta! Se o seu destino nas próximas férias também for a Disney, se jogue sem medo que as lembranças, com certeza, serão incríveis.

É tudo pensado pra que a sua experiência seja incrível e você consiga viver aqueles momentos com intensidade. Os caras são os reis do entretenimento e é tanto estímulo que não dá pra ficar entediado. As filas já te colocam no clima do brinquedo que você vai entrar e, sempre que possível, já te distrai com joguinhos, telas interativas ou filmes pra fazer o tempo passar melhor. Dá pra perceber o encantamento? Sinal de que deu certo.

Não aproveitamos nenhum serviço do hotel além do guichê de informações sobre os parques, que também vendia ingressos. Isso é bem comum nos hoteis em Orlando e dizem que pode ser até mais barato comprar os tickets por lá, mas preferimos sair do Brasil com tudo comprado. Assim, só nos informamos sobre os horários de cada parque, que já sofriam algumas alterações por conta da programação de Halloween, e partimos para o primeiro da lista: Epcot Center.