Eixo Monumental: Da Catedral ao Memorial JK

Começamos o dia cedinho, partindo da Catedral Metropolitana, que fica ali pelo meio do Eixo Monumental. Mesmo quem não liga para igrejas, a visita vale a pena pela arquitetura de Niemeyer (e pelos anjos suspensos, pelos vitrais e pela réplica da Pietá também). De lá, fomos conferir a exposição no Museu Nacional – era sobre futebol, obviamente – e continuamos subindo o Eixo Monumental em direção à Torre de TV.

No caminho, olhos atentos à Biblioteca Nacional de Brasília – que fica logo em frente ao Museu Nacional, e ao Teatro Nacional Claudio Santoro, do outro lado da Avenida. O projeto, que é de Niemeyer e lembra uma enorme pirâmide, tem a fachada assinada por Athos Bulcão. Do Eixo, você não vê bem os lados leste e oeste, composto por 3.608 quadriláteros de vidro, mas sim o relevo, cheio de cubos e retângulos, que é maior a obra de intervenção urbana do artista. Subindo um pouco mais, também do lado oposto, está o Estádio Mané Garrincha.

Com entrada gratuita, a cidade cheia e um dia ensolarado, a fila para a Torre de TV dava voltas que nos fizeram desistir de subir naquele momento. A escolha de voltar mais tarde foi sábia não só pelo tempo de fila poupado, mas pelo pôr-do-sol que ilustrou a visita. A 75 metros de altura, onde fica o mirante, dá pra ver a simetria com que Brasília foi desenhada e, só isso, já vale a subida!

Dali, pegamos um ônibus para chegar ao Memorial JK. O lugar homenageia o presidente que construiu Brasília e transferiu a capital do Brasil pra lá. No primeiro andar, os gabinetes da presidência e de D. Sarah, e a biblioteca de Juscelino estão preservadas e abertas à visitação. No segundo andar fica a sinistra câmara mortuária, com o túmulo onde estão os restos mortais de JK. A estrutura circular, com iluminação avermelhada e vitrais ao redor, e aquele bloco enorme de granito no meio garantem o climão. Também estão expostos vários objetos pessoais do presidente e um documentário sobre a construção de Brasília é exibido em loop.

Mais acima está a Praça do Cruzeiro e, ali perto, também tem o Memorial dos Povos Indígenas, projetado por (ahhh você nem imaginava) Niemeyer. O acesso é feito por uma rampa e, ao longo do caminho que segue a espiral dessa “oca” de concreto, objetos de várias tribos estão expostos. A iluminação é ruim, as informações disponíveis também. Ou seja, só vale pra quem é muito interessado no assunto.

[Atualização: O Memorial passou por uma reforma e foi reaberto em abril de 2016.  Se você passou por lá, sinta-se à vontade para dividir sua experiência nos comentários]

 

Serviço

Catedral Metropolitana

Quando: Segunda-feira, de 8h às 16h30; Terça e Sexta, das 10h30 às 18h; Quarta, Quinta, Sábado e Domingo, das 08h às 18h.
Preço: Grátis
Mais informações no site oficial

Museu Nacional de Brasília

Quando: Terça a domingo, das 9h às 18h30
Preço: Grátis
Mais informações no site oficial

Estádio Mané Garrincha

Quando: Aos sábados, das 9h às 11h30
Os visitantes devem entrar pelo portão A, onde são formados grupos de 50 pessoas
Preço: Grátis, mas os visitantes podem doar um livro infantil
Mais informações no site oficial

Torre de TV

Quando: Terça a domingo, das 9h às 19h. A Feira de Artesanato rola de terça a quinta, das 9h às 17h, e de sexta a domingo, das 9h às 18h.
Preço: Grátis
Mais informações no site oficial

Memorial JK

Quando: Terça a Domingo, de 9h às 18h
Preço: R$ 10 / R$ 5,00 para estudantes e idosos
Mais informações no site oficial

Memorial dos Povos Indígenas

Quando: Terça a sexta, das 9h às 17h; Sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h
Preço: Grátis
Mais informações: (61) 3342-1157 / 3344-1154 / 3342-1156