Visita ao Congresso Nacional: Câmara dos Deputados e Senado

Nosso dia começou às 9 horas, no Palácio do Itamaraty, mas fomos surpreendidos com uma mudança no horário de visitação, que começava às 10 naquele domingo. Sem problemas! Colocamos nossos nomes na lista do primeiro grupo e corremos para a Praça dos Três Poderes, que reúne as sedes do Legislativo, Executivo e Judiciário. Pense em um triângulo: no vértice dele está o Congresso Nacional, composto pelas sedes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados; e na base estão o Palácio do Planalto de um lado e o Supremo Tribunal Federal de outro.

Se localizou? Então foca no vértice! O Congresso é formado por duas torres de 28 andares, interligadas bem no meio, com uma cúpula de cada lado. A que está para baixo é o plenário do Senado e a que está para cima é o plenário da Câmara dos Deputados.

As visitas são sempre guiadas, gratuitas e têm duração de, aproximadamente, uma hora.

Câmara dos Deputados

A visitação inclui os dois lados, o acesso é pela rampa e, no Salão Negro, os grupos são organizados. Esse é o principal acesso aos plenários da Câmara e do Senado e também serve para solenidades oficiais e tem esse nome por causa da cor do piso.

Desde 21 de abril de 1960, quando a nova Capital Federal foi inaugurada, o Congresso é sede do Poder Legislativo brasileiro. Se a memória daquelas aulas de Estudos Sociais (ai, velha) tiver falhado, um vídeo institucional, exibido em uma salinha atrás do Salão Nobre, explica as funções dos deputados federais e dos senadores lá no Congresso. (Se você quiser se adiantar, te dou uma força).

A visita segue para o Salão Verde, que tem esse nome por causa do carpete de gosto duvidoso. Seus 2 mil metros quadrados costumam ser movimentados em dias de trabalho e é por ali que os parlamentares atendem jornalistas. Tem umas poltronas espalhadas, várias obras de arte e um jardim interno.

No espaço ainda estão a Galeria dos Presentes, exibindo alguns dos agrados que recebemos de chefes de Estado, e painéis com fotos dos presidentes da Câmara dos Deputados desde a época do Império. Atrás do Muro Escultório, obra de Athos Bulcão, o guia explica como é feita a divisão do Congresso e mostra onde estão os anexos o prédio de maneira bem didática com o auxílio de duas maquetes.

O Plenário Ulysses Guimarães é o ponto alto da visita já que é esse o palco de debates e votações de leis. Depois de ver tantas cenas (e barracos) dos deputados na TV, é interessante estar lá dentro e sentar naquelas cadeirinhas. A votação é eletrônica e os votos são computados através da combinação da impressão digital e da senha de cada deputado.

Senado Federal

De volta ao Salão Verde, pegamos um atalho para o Salão Azul, que já faz parte do Senado Federal. Mais escuro e sem obras de arte, o que chama atenção é um enorme parede espelhada, que esconde alguns gabinetes. Em seguida, fomos até a Praça das Bandeiras, que exibe as bandeiras do Brasil e de suas 27 unidades federativas, e ao Túnel do Tempo, passagem para o Anexo 2, que tem uma exposição de fotos sobre a história do Senado.

A cereja do bolo ficou por conta do Plenário do Senado, onde acontecem pronunciamentos, debates e votações. Limitados ao espaço reservado à imprensa, pudemos observar o painel de metal atras da Mesa, o forro do teto (feito com 135 mil placas metálicas) e as bandeiras do Brasil, cuidadosamente desenhadas pelos funcionários da Casa no carpete azul.

Antes mesmo do fim da visita, saímos correndo para o Itamaraty porque a hora da visita estava próxima.

Serviço

Congresso Nacional

Quando:  Todos os dias, das 9h às 17h30
A cada 30 minutos, os grupos saem a partir do Salão Negro. Grupos com mais de 15 pessoas precisam agendar sua visita
Preço: Grátis
Mais informações no site oficial