Chapada dos Veadeiros: Cataratas dos Couros

As Cataratas dos Couros foi uma das cachoeiras mais indicadas por amigos que já haviam estado na Chapada dos Veadeiros e eu não tive nenhuma dúvida em incluí-la no roteiro depois de uma rápida pesquisa por imagens no Google. Definitivamente, eu queria ver de perto todo aquele imponente volume de água descendo por um paredão rochoso de mais de 25 metros de altura.

Cachoeira da Muralha, vista da trilha

Fora do Parque Nacional, a Couros é uma das raras opções gratuitas na Chapada. Isso se você quiser se arriscar ao longo de 35 Km de estrada de terra sem sinalização para chegar a esse complexo de poços e corredeiras. Depois de ouvir o relato de pessoas que foram sem guia, achei que pagar um profissional significaria otimizar nosso dia, garantindo uma chegada mais tranquila, sem aquele stress do “meu deus, me perdi, não tem uma alma aqui pra dar informação”.

A caminho das Cataratas dos Couros

Há quem diga que os próprios guias tiraram as placas do caminho, para tentar obrigar que os turistas contratassem seus serviços. Faz sentido! Mas, depois da visita, não tenho dúvida de que foi um ótimo investimento. Para ir “guiado” até os Couros havia duas opções: ir no carro do hostel (ou de uma agência) com um guia-motorista e um grupo maior – assim, o preço cobrado seria por pessoa; ou ir no nosso próprio carro pagando a diária do guia – dividida entre esse pequeno grupo. O Fagner, do Jardim Nova Era, não só contratou o guia pra gente, mas também conseguiu uma terceira pessoa interessada em fazer o passeio.

Como chegar

Placa danificada pelos visitantes

Partimos de manhã cedinho, encaramos 16 Km de estrada em direção a Brasília e adentramos a estrada de chão à direita, seguindo uma rara placa indicativa. Apesar de não ser muito esburacado, o caminho é longo e cheio de bifurcações. A única sinalização da qual me lembro é uma que indica dois restaurantes – e, olha, isso tem sua relevância!

Passamos no restaurante da Dona Eleuza para encomendar uma comidinha caseira (e aí eu já pedi o ovo caipira para fugir da galinha) e seguimos viagem até o “estacionamento” das Cataratas. Partindo daí, a aventura percorre uns três quilômetros de quedas, poços, cachoeiras e corredeiras.

Almécegas 1000 e Cachoeira do Parafuso

A caminhada é relativamente tranquila e tem nível de dificuldade classificado como médio, porque em alguns momentos é preciso descer (e, obviamente, subir de volta) pelas pedras. No geral, o terreno é plano, tem trechos com areia branquinha e o caminho quase não tem sombra. Nosso guia escolheu descer beirando o Rio Couros até a última queda d’água, chamada de Cachoeira do Parafuso.

Cachoeira do Parafuso

Essa queda imponente é precedida pela lindíssima Almécegas 1000 e é lá que o banho é garantido. Pra quem tem coragem pra um cliff jump – também conhecido como salto livre de cima de uma pedra – rola um pico de 15 metros de altura. Eu me contentei só com um bom mergulho mesmo!

Ainda rolou uma pequena emoção, porque dividimos o território com uma cobra gulosinha, que estava se deliciando com um sapo na boca, e foi aí que decidimos fazer o caminho de volta.

» Confira o roteiro completo

Voltamos beirando o rio, torcendo para não encontrar nenhuma outra peçonhenta, e só paramos de novo para outro banho na Cachoeira da Muralha. Ao longo da trilha, nosso guia foi mostrando algumas espécies da flora local e fizemos paradas para admirar os cânions.

Cachoeira da Muralha

Cachoeira da Muralha e seu generoso poço

Mesmo na época da seca, o volume d’água na Cachoeira da Muralha impressiona! O banho nesses generosos poços, depois de tanto sol na cabeça, garantiu a energia para voltar a Alto Paraíso depois desse longo dia.

Não vou mentir: dirigir os 35 Km de volta não foi tarefa fácil! Ainda mais depois de almoçar como reis no Restaurante da Eleuza. Lá, o esquema foi o mesmo que na Lucideth: paga-se R$25 por pessoa – bebidas à parte – e come-se à vontade. No menu, saladinha de alface e tomate, arroz, feijão, macaxeira frita, abóbora, galinha caipira e bife acebolado.

De barriga cheia, pegamos a estrada e contamos com as paisagens impressionantes do cerrado, além de um senhor por do sol como estímulos para essa longa viagem.


Cataratas dos Couros

(Informações do Guia de Atrativos da Chapada dos Veadeiros)
Sentido Brasília, 18 Km de asfalto e 35 Km de terra. Trilha com grau médio e 1500m de caminhada.
Preço: R$120 a diária do guia (em agosto de 2015)